Rótulos de risco: você conhece o significado de cada um deles?

Rótulos de risco: você conhece o significado de cada um deles?

Você com certeza já se deparou com alguns rótulos de risco pelas estradas brasileiras. Mas você conhece o significado e a importância de cada um deles? Não? Então continue com a gente para descobrir!  

Milhares de caminhoneiros viajam pelas estradas brasileiras diariamente transportando substâncias perigosas, mas o que fazer caso algum acidente ocorra? Como identificar a substância em questão? Pensando nessa e em todas as outras adversidades, é que o rótulo de risco foi criado.

Os rótulos de risco servem para identificar produtos perigosos por meio da simbologia, assim, tornando-o de linguagem universal. Esses rótulos de risco são representados na forma de um losango, que dentro possui símbolos/pictogramas que ajudam na identificação da substância em qualquer lugar do mundo. 

Essa forma de identificação é normatizada pela ABNT NBR 7500 – Identificação para o Transporte, Manuseio, Movimentação e Armazenamento de Produtos. Ela regulamenta a simbologia para os veículos e equipamentos, embalagens e volumes, para indicar o risco e os cuidados que se deve ter durante o transporte, manuseio, armazenamento ou movimentação.

A importância dos rótulos de risco

Por se tratar de substâncias perigosas e com altos riscos para a população em geral, a ABNT NBR 7500 exige que esses veículos possuam esses rótulos. Ela serve não só para indicar que é uma substância perigosa, mas também para indicar de que tipo ela é.

Em caso de algum imprevisto ou acidente acontecer, as autoridades responsáveis saberão com qual material estão lidando. Se é inflamável, corrosivo, pode entrar em contato com a água ou não e etc.

Os símbolos que orientam o transporte de produtos perigosos precisam ser ricos em informações e também compreendidos pelos profissionais do ramo. O conhecimento dos rótulos de risco é fundamental para a segurança dos motoristas, do meio ambiente e da população em geral.

Os condutores que realizam esse tipo de transporte, normalmente portadores da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria B, C, D e E, precisam passar por um curso específico para compreender essa norma. O curso para Condutores de Veículos de Transporte de Produtos Perigosos é oferecido gratuitamente para os trabalhadores do setor em todas as unidades do SEST/SENAT do país.

Além disso, todo condutor precisa ter em mãos uma ficha de emergência, que é um documento de porte obrigatório e deve estar dentro do envelope de transporte e ao alcance do motorista. Essa ficha explica detalhadamente a carga, indica as instruções de uso de EPIs (Equipamentos Individuais de Segurança) e quais as autoridades e pessoas que devem ser acionadas em caso de emergência.

Entenda a classificação dos rótulos de risco e seu significado

Agora que você já sabe um pouco mais sobre a importância dos rótulos de risco, vamos entender como funciona essa classificação. Quanto mais alta a classe, maior o risco que aquela substância proporciona.

Basicamente, os rótulos de risco mostram 3 informações essenciais: o símbolo, o nome e a classe de risco. Ele deve estar fixado na traseira e nas laterais do veículo, de forma visível e dentro dos padrões. 

O símbolo mais conhecido e também o que mais chama a atenção é o da caveira, mas existem dezenas de outros símbolos, como veremos a seguir.

Classe 1 – Explosivos

rótulos de risco

A primeira classe de rótulos de risco identifica os explosivos e são representados com o losango na cor laranja e a numeração correspondente a sua subclasse.

Suas subclasses são dividas em:

  • Subclasse 1 Substâncias e artefatos com risco de explosão  em massa;
  • Subclasse 1.2 Substâncias e artefatos com risco de projeção;
  • Subclasse 1.3 Substâncias e artefatos com risco predominante de fogo;
  • Subclasse 1.4 Substâncias e artefatos que não representam risco significativo;
  • Subclasse 1.5 Substâncias pouco sensíveis;
  • Subclasse 1.6 Substâncias extremamente insensíveis.

Classe 2 – Gases

A segunda classe de rótulos de risco identifica os gases, que podem ser representados com o losango nas cores vermelha, verde e branco com a indicação do gás escrita.

rótulos de risco

As subclasses da classe 2 são:

  • Subclasse 2.1 Gases inflamáveis;
  • Subclasse 2.2. Gases comprimidos não-tóxicos e não-inflamáveis;
    • Oxigênio
    • Nitrogênio
  • Subclasse 2.3 Gases tóxicos.
    • Amônia
    • Sulfato de hidrogênio
    • Cloro

Classe 3 – Líquidos inflamáveis

A terceira classe identifica os líquidos inflamáveis. Ela não possui subclasses e é representada por um losango vermelho escrito em preto. Alguns líquidos inflamáveis são:

  • Solvente
  • Benzeno
  • Gasolina

Classe 4 – Sólidos Inflamáveis 

A quarta classe representa os sólidos inflamáveis com a cor vermelha e branca misturadas ou azul e possui subclasses. Ela é dividida em 3 subclasses com os seguintes materiais:

  • Subclasse 4.1Sólidos inflamáveis;
    • Borneol
    • Palha ou feno
  • Subclasse 4.2 Substâncias passíveis de combustão espontânea;
    • Zircônio em pó
    • Carvão de origem vegetal ou animal
  • Subclasse 4.3 Substâncias que, em contato com a água, emitem gases inflamáveis.
    • Magnésio em pó
    • Silicato de cálcio
    • Zinco em pó

Classe 5 – Substâncias Oxidantes e Peróxidos Orgânicos

rótulos de risco

Apesar do nome estranho, não é muito difícil de entender o que são as substâncias da classe 5.

As substâncias oxidantes são substâncias que ao oxidar, ou seja, produzir oxigênio, podem acabar contribuindo para a combustão de outro material. Já os peróxidos orgânicos, que podem sofrer decomposição auto-acelerada porque são termicamente instáveis.

As subclasses dessa classe são:

  • Subclasse 5.1 Substâncias Oxidantes;
    • Cloreto de Magnésio
    • Bromato de Sódio
    • Nitrato de potássio
    • Nitrato de amônio
  • Subclasse 5.2 Peróxidos Orgânicos.
    • Derivados de peróxido de hidrogênio

Classe 6 – Substâncias Tóxicas e Substâncias Infectantes

Os rótulos de risco da classe 6 é representado por um losango nas cores preta e branca.

Suas subclasses e produtos são: 

  • Subclasse 6.1 Substâncias Tóxicas;
    • Gás lacrimogêneo
    • Arsênio
    • Mercúrio composto
  • Subclasse 6.2 Substâncias Infectantes.
    • Vírus
    • Fungos
    • Bactérias

Classe 7 – Materiais Radioativos

A classe 7 representa os materiais que são radioativos e podem ser eles:

  • Rádio (Ra)
  • Césio (Cs)
  • Plutônio (Pu)
  • Polônio (Po)

Classe 8 – Substâncias Corrosivas 

A classe 8 de substâncias corrosivas é representada por um losango preto e branco. Entre as substâncias consideradas corrosivas estão:

  • Ácido clorídrico;
  • Ácido sulfúrico;
  • Ácido nítrico;
  • Hidróxido de potássio;
  • Hidróxido de sódio (soda cáustica).

Classe 9 – Substâncias e Artigos Perigosos Diversos

A classe 9, como o nome diz, engloba materiais diversos com potencial risco de causar danos à saúde e ao meio ambiente, mas que não se encaixam em nenhuma outra categoria acima. Entre os materiais que fazem parte desta classe estão:

  • Bateria de lítio;
  • Capacitores;
  • Microorganismos geneticamente modificados (MOGMs) e organismos geneticamente modificados (OGMs)
  • Substâncias que desprendem vapores inflamáveis;
  • Substâncias que danificam o meio ambiente;
  • Entre outras.

Como visto acima, o sistema de classificação de rótulos de risco é muito importante devido às substâncias que são transportadas, a maioria delas extremamente perigosas. Por isso, é preciso que os materiais das placas de identificação sejam bastante resistentes.

A Light Print é especialista em etiquetas e rótulos técnicos para situações de risco  como essas. Se tiver alguma dúvida, não deixe de entrar em contato conosco: http://lightprint.com.br/

Deixe uma resposta

Fechar Menu